Nesta quarta-feira (19), a Câmara Municipal de Curitiba (CMC) recebeu a visita de Matheus Araujo Laiola, delegado responsável pela Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente da Polícia Civil do Paraná. Ele veio a convite de Fabiane Rosa (DC) para falar sobre a atuação policial no combate aos maus-tratos contra os animais. De acordo com a vereadora, Laiola é especialista em investigação criminal, segurança pública, gestão pública e direito constitucional. “Ele passou pela delegacia de estelionato e desvio de cargas, furtos e roubos, entre outras”, informou Fabiane, que complementou que atualmente o delegado atua no combate a crimes perpetrados contra o meio ambiente. De acordo com Laiola, atualmente em Curitiba se registram 30 denúncias por dia de maus-tratos a animais.

Laiola explicou que assumiu a Delegacia de Meio Ambiente em janeiro e foi um choque para sua equipe, que estava acostumada aos crimes da Delegacia de Furtos e Roubos. “Policiais acostumados a lidar com traficantes passaram a ter de capturar cobras de 7 metros”, contou o delegado. “Houve o objetivo de se mudar algumas dinâmicas e, nesse curto espaço de tempo, obtivemos resultados expressivos”.

De acordo com ele, a Delegacia de Meio Ambiente atua em conjunto com a Rede de Proteção Animal, pois há a necessidade de encaminhar os animais para lugares adequados. “A função da delegacia de Meio Ambiente é penal e a da Rede de Proteção Animal é administrativa e fiscal. O resultado dessa atuação em conjunto é que nos últimos cinco meses, 300 animais em situação de maus-tratos foram apreendidos”. Ele disse que a prefeitura autorizou o uso de um espaço no Parque Barreirinha e que, até o mês de agosto, aproximadamente, a Delegacia de Meio Ambiente passará a funcionar nesse espaço.

Katia Dittrich (Solidariedade) contou que, graças à delegacia competente, e à Rede de Proteção Animal, 85 cães de raça foram salvos da exploração. “Em dois meses, a ONG 'Somos Amigos dos Animais', da qual sou madrinha, recolheu esses animais”, disse a vereadora que também comentou sobre a necessidade de aumento do contingente de policiais no órgão, que ele atende todo o estado do Paraná. Mauro Bobato (Pode) parabenizou o delegado pelos resultados obtidos e disse que realmente deve ter sido um choque quando a equipe teve de se adaptar ao novo serviço. Em resposta a Cristiano Santos (PV), o delegado disse que foi necessário se capacitar bastante para lidar com as questões do meio ambiente mas que, nos últimos tempos, tem dado palestras sobre o tema.

Laiola frisou que o aumento de funcionários da delegacia é de competência do governo estadual, mas ele sugeriu que os vereadores olhassem com atenção as necessidades da Rede de Proteção Animal. “Só no telefone 156, são 30 denúncias por dia. Com mais agentes da Rede a resposta seria muito mais efetiva”. Ezequias Barros (Patriota) cumprimentou Fabiane pelo convite e parabenizou o delegado pelo trabalho desenvolvido. Para Pier Petruzziello (PTB), o delegado Matheus Araujo Laiola representa uma nova polícia civil, mais idealista. “Alegra-me que você esteja participando dessa política nova da Polícia Civil”, disse o vereador.

Tico Kuzma (Pros) perguntou se, na verificação da denúncia, é necessário algum pedido judicial. De acordo com o delegado, isso não é necessário. “Verificado o flagrante de maus-tratos, a polícia pode atuar, independente de ordem judicial. Essa parceria com a Rede de Proteção Animal foi bem vinda, pois antes eles verificavam a situação, mas não podiam entrar”, explicou o delegado. Serginho do Posto (PSDB) também saudou o delegado. Acompanhou a sessão Emily Arruda, da Rede de Proteção Animal.

Fonte: CMC