vereadores.jpeg

A Câmara de Curitiba está intermediando as negociações entre os servidores da Cohab de Curitiba com o Executivo Municipal, conforme anunciou o presidente do Legislativo, Serginho do Posto (PSDB), nesta terça-feira (12). Esse foi um dos encaminhamentos dados a partir de uma reunião entre os vereadores e representantes sindicais dos trabalhadores da estatal, durante encontro que levou à suspensão da sessão plenária. Os servidores da Cohab estão desde ontem (11) em greve, motivada principalmente pelos atrasos frequentes no pagamento dos salários. O tema já foi discutido pelos vereadores na sessão de segunda-feira.

“Já temos a informação de que os salários estão sendo depositados”, disse Serginho aos servidores, durante a reunião. “Nesse primeiro momento, é preciso entender como está a Cohab e depois pensar em um plano de recuperação, em políticas administrativas”, pontuou o presidente. Ele afirmou ainda que serão discutidas políticas habitacionais para o município. “Tiramos uma pauta e teremos uma reunião em conjunto: Câmara, Cohab e Prefeitura para avançarmos e deliberarmos essas discussões”, garantiu.

O líder do prefeito na Casa, Pier Petruzziello (PTB), reforçou que a primeira situação a ser resolvida é se colocar em dia os salários dos servidores, para depois pensar em como recuperar a sustentabilidade da empresa. Os vereadores Goura (PDT) e Professora Josete (PT) sugeriram uma comissão especial entre os diversos colegiados permanentes da Casa para acompanhar o tema.

A presidente do Sindicato dos Assistentes Sociais do Paraná (Sindasp), Kristiane Plaisant Marcon, servidora da Cohab, defende independência na administração da empresa. “Essa gestão [municipal] pode ficar marcada pelo fechamento ou venda da Cohab e o compromisso desse prefeito [Rafael Greca] era levantar [a empresa]”, disse. “Também somos prefeitura”, complementou.

Entre outros pontos destacados pelos servidores, está a falta do pagamento do reajuste aos salários dos trabalhadores de 2018 [os funcionários da Cohab são contratados com base na CLT, e não estatutários, os quais não receberam reajuste no ano passado], e o atraso no pagamento dos planos de saúde dos trabalhadores que, conforme apontam os grevistas, já gerou negativa de atendimento aos servidores em serviços de saúde.

Os vereadores Cacá Pereira (PSDC), Ezequias Barros (PRP) e Felipe Braga Côrtes (PSD) participaram das discussões, ao lado de outros parlamentares que acompanharam a reunião. Também estavam presentes funcionários da Cohab, representantes dos sindicatos dos Arquitetos e Urbanistas (Sindarq-PR), dos Trabalhadores em Urbanização (Sindiurbano) e dos Engenheiros do Paraná (Senge-PR), além do presidente da Associação dos Moradores do Parolin e ex-vereador, Edson do Parolin (PSDB).

Fonte: CMC