“Desde cedo temos que ter consciência política e consciência do voto”, destacou a estudante Ana Letícia Alves, do Colégio Estadual Júlia Wanderley, eleita vereadora mirim com outras 37 crianças e jovens de escolas estaduais. Na tarde desta quarta-feira (22), eles receberam a diplomação no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR). A atividade faz parte do projeto Parlamento Jovem, do TRE em parceria com a Câmara Municipal de Curitiba. O Legislativo vai, a partir de agora, dar continuidade na orientação dos novos vereadores, que ao final do ano de 2018 devem apresentar um projeto de lei que será protocolado oficialmente. Os parlamentares que compõem a Mesa da Câmara, Serginho do Posto (PSDB), presidente, Bruno Pessuti (PSD), primeiro-secretário, e Mauro Ignácio (PSB), segundo-secretário, compareceram ao evento.

“Sabe-se da crise política pela qual passa o país hoje. Por isso é importante a participação dos jovens e o aprendizado sobre o que é democracia”, ressaltou o vice-presidente do TRE, desembargador Luiz Taro Oyama. “A Justiça Eleitoral foi idealizada na Revolução de 1930, justamente para acabar com o coronelismo, a compra de votos, onde os mais fortes dominavam seus funcionários, a comunidade, a localidade e faziam com que votassem em determinadas pessoas”, lembrou o desembargador, para alertar que, “passados 85 anos os processos que mais julgamos se referem a crimes eleitorais e corrupção eleitoral”.

Serginho do Posto elogiou a iniciativa do tribunal e dos professores da Secretaria Estadual de Educação envolvidos e disse que a consciência política precisa ser formada nos jovens. “É uma forma de criar uma consciência cidadã e política. Temos que superar o atual momento de crise política através da democracia”.

“Uma ação como essa faz a diferença na vida do nosso aluno”, disse Merina Terezinha Juliano, da Secretaria Estadual de Educação, que também elogiou o empenho dos professores. Para ela, ações como essa “ampliam o horizonte e a reflexão sobre o contexto da educação e da cidadania”.

Os novos políticos dizem que a experiência está sendo interessante. “Para abrir nossos olhos sobre a política. Mostrou o que na verdade é a política, o que é democracia e cidadania. Eu espero do projeto que a gente ainda possa cumprir as nossas promessas, isso foi uma outra coisa que o projeto nos ensinou: a cumprir com nossa palavra e o valor da palavra”, explicou a estudante Julia Cornielsi, do Colégio Estadual Ernani Vidal. “Aprendi que o voto não é brincadeira. Que o povo possa ver que pode mudar o Brasil mudando os políticos ou representando o Brasil”, acrescentou Carlos Eduardo Castelo, da mesma escola.

O Parlamento Jovem
As eleições foram feitas com o uso das urnas eletrônicas, no dia 3 de outubro. Em Curitiba, participaram seis colégios estaduais e em todo o Paraná foram 46, envolvendo aproximadamente 12 mil alunos. “Em cada escola eles escolheram os partidos que participariam, fizeram a filiação ao partido, depois fizeram uma convenção partidária, então os dirigentes desses partidos se reuniram para escolher quem seria o candidato e no dia da eleição os candidatos de cada escola é que receberam os votos dos demais alunos”, explicou a coordenadora do Parlamento Jovem, Juliana Paula Zigovski.

Segundo ela, o projeto é contínuo e em 2018 outras crianças e jovens participarão. Os atuais vereadores mirins também continuam o trabalho, agora na Câmara Municipal. “No ano que vem, a ideia é que esses alunos eleitos fiquem na Câmara Municipal acompanhando de perto a atuação dos vereadores. Vão entender no decorrer do ano o funcionamento, as competências dos vereadores, para que possam elaborar um projeto de lei. Participarão de alguma sessão plenária e a ideia é que, ao final de 2018, apresentem uma proposta pra Câmara”, complementou. Os novos vereadores tomam posse na primeira quinzena de dezembro, no plenário da Câmara.

Também estiveram presentes na diplomação o diretor-geral em exercício do TRE, Sérgio Ritzmann, o vereador Geovane Fernandes (PTB) e o diretor-geral da Câmara, Nilton Cordoni Junior.

Fonte: CMC